-Reencontro: Damiana de máscara branca e blusa rosa ao lado das 2 irmãs e com a família que cuidou dela quando se viu perdida na cidade. (Arquivo pessoal).

Damiana Viviana de Lima, de 33 anos, foi adotada por família de Botucatu (SP). Isso aconteceu porque ela que tem problemas mentais e se perdeu durante a viagem que fez sem avisar ninguém entre o Estado de Pernambuco, onde vivia, pois queria morar com uma tia em Santos.

-Damiana com a irmã que se deslocou a Botucatu para buscá-la.

Durante esse percurso, ela foi parar em Botucatu, onde acabou adotada por uma família que não sabia da sua origem e nem quem eram seus parentes.

Desde então, há aproximadamente 20 anos, a família dela que mora em Pernambuco e em Santos (SP) tentava algum tipo de notícia. Foi uma matéria publicada no 14news que fez com que as esperanças voltassem.

Nesta terça-feira (29), Damiana foi entregue pela família que ficou cuidando dela para as irmãs que moram em Santos e vieram buscá-la.

Joseane Luzinete de Lima, 50 anos, é a irmã mais velha. Ela se deslocou do litoral até Botucatu. “Sou eu que vou fica com ela. Damiana está muito feliz. A minha outra irmã mora perto e ela também vai me ajudar a cuidar de Damiana. Fiquei muito feliz por te encontrado ela. Agora não vamos mais nos separar, com fé em Deus. Obrigada ao repórter e à sua equipe pela ajuda em encontrá-la”, disse Joseane que trabalha no litoral como babá.

No momento do reencontro tanto Damiana se emocionaram. Ainda nesta terça começaria a vida na nova cidade.

Como ela foi encontrada

Em reportagem escrita em março deste ano mostrou que Damiana tinha se perdido da família adotiva em Botucatu, quando todos faziam limpeza no quintal de casa. Ela foi colocar um cabo de vassoura do outro lado da rua e desapareceu. Logo em seguida ela foi encontrada por um entregador de gás.

Nas buscas pela internet, a família de Santos viu a foto de Damiana no 14News – onde encontrou essa matéria – e entrou em contato com a reportagem. Assim, depois de tantos anos, seus familiares puderam falar com quem estava cuidando dela.

Naquele dia, há 5 meses, em ligação por vídeo elas voltaram a se falar de novo. Foi pura emoção. “Ela se emocionou e me reconheceu na mesma hora. Foi uma felicidade só”, diz a Jane, de 50 anos, irmã que vive em Santos (SP).

-O reencontro e a despedida da família adotiva

Claudemir Joaquim, primo considerado irmão de criação, diz que todos esperavam um dia encontrar Damiana. “A família sofreu muito para encontrá-la. Quando desapareceu, ela não teve paciência para aguardar alguém vir junto buscá-la e pegou carona com um motorista que trouxe ela para SP e aí o roteiro foi traçado por ela e por Deus. Por vídeo, conseguimos ver ela. Está bastante feliz e chorou de emoção. Ela até pensou que esquecemos dela, mas isso nunca aconteceu”, conta o primo e irmão de criação.

Maria José de Lima, conhecida como Lior, de 49 anos, tia-irmã que também mora em Santos diz que parte da família precisou se mudar para o litoral paulista. “Depois que viemos embora, ela ficou com a minha mãe, que veio a falecer. Ela tentou vir embora e se perdeu. Começou assim a saga atrás da irmã perdida. Como ela nunca desistiu, foi mais uma vez no Google e acabou encontrando a matéria de vocês, senão nunca a encontraria”.

Em Botucatu Damiana encontrou sua terceira família. Isso porque, antes, ela já havia sido entregue a outra família, pelo pai – quando tinha 11 filhos – em Pernambuco. Assim, essas pessoas que a procuravam – que moram em PE e Santos – são consequentemente sua segunda família.

A história fica ainda mais emocionante no mês das mães. Damiana teve três filhas em Pernambuco. Uma delas também já é mãe. Damiana não tinha conhecimento de que se tornara avó. Pela situação da família, as suas filhas foram adotadas. Uma das filhas falou com Damiana por vídeo de celular após o primeiro contato feito através da localização com ajuda do 14News.

Damiana em vídeo pediu que as filhas a perdoassem por não ter vivido com todas elas, mas as meninas disseram que sentem a sua falta e amam a mãe.

A família que cuida de Damiana em Botucatu disse que estava com ela há 5 anos e que a adotou após o fechamento de uma casa de repouso. E naquele momento, apesar de amá-la muito, permitirá a volta para casa, para ficar com a família de Santos.

Vamos sentir saudades

A diarista Mirian Carvalho de Jesus que foi quem ficou 6 anos cuidando de Damiana em Botucatu. “Fiz minha parte. Acolhi ela e cuidei bem como um membro da nossa família. Fizemos uma despedida para ela no domingo como toda família nossa. Ela me tratava como tia. Chamava minha mãe de vó e minhas irmãs de tias. Era como se fosse da nossa família, porque foram quase 6 anos aqui com ela. Graças a Deus encontrou a família através da reportagem de vocês. Eu fico muito grata porque ela tinha um sonho muito grande de reencontrar a família. Vamos sentir saudade porque era realmente membro da família. Fico feliz de ter cuidado e ter unido elas – as irmãs e a família – novamente. Quando tiver oportunidade quero fazer uma visita pra ela”, disse ao 14News.