A Creche do bairro Santa Maria 1 virou ponto de caixa postal comunitária para atender moradores dos bairros Jardim do Bosque 1 e 2 que não contam ainda com o serviço de entrega de carta dos Correios.

O serviço será oferecido em uma das salas da creche de segunda a sexta-feira, das 11h às 17h onde as pessoas podem buscar as suas cartas.

Mesmo não sendo o ideal que deveria ser a entrega da carta em casa, ao mesmo tempo é uma forma de reduzir a distância para as pessoas que precisavam se dirigir até o centro da cidade. Serão atendidas 632 famílias.

Uma das moradoras do Jardim do Bosque é a professora Andréia Innocenti, de 40 anos. Segundo ela, os moradores do Jardim do Bosque II, bairro vizinho do residencial Santa Maria, receberam um comunicado enviado pela Secretaria de Habitação de Botucatu, informando aos moradores que suas correspondências dos Correios deverão ser retiradas na creche do bairro Santa Maria. Até o dia 27 de junho eram retiradas pelos moradores na agência da Cohab I.

“O esperado desde a entrega do residencial é que cada morador receba suas correspondências em seu endereço. Em busca de uma justificativa plausível, se é que pode existir alguma, moradores foram informados pela Secretaria de Habitação que a agência dos Correios da Cohab I é a responsável pela distribuição das correspondências daquela região, mas que esta não dispõe de funcionários para realização do serviço porque o governo federal não teria realizado concurso público para contratação”, disse.

Apesar de ajudar, ela diz que o ponto de distribuição ainda não resolve de forma definitiva. “Desta forma, a prefeitura firmou esta parceria com os Correios, tornando a creche do Santa Maria um posto de distribuição, a fim de resolver o problema. Isso deveria parecer um facilitador para os moradores que agora não precisam mais ir até a Cohab I para retirada, pois podem retirar na creche, que “é mais perto”. Tal situação continua causando transtornos e revolta nos moradores, que assim como os demais cidadãos botucatuenses pagam taxas e impostos que lhes garantem os mesmos direitos constitucionais. O direito garantido deve ser o de receber suas correspondências em seus respectivos endereços”, comentou a moradora.

A educadora ainda diz que os Correios não deixam de cobrar as suas postagens por isso deveria manter o serviço. “O nosso direito garantido deve ser o de recebermos nossas correspondências em nossos respectivos endereços, assim como já recebem o bairro Santa Maria e Maria Luiza. O paliativo de diminuir a distância ao podermos retirar nossas correspondências na creche do Santa Maria, ao invés de irmos na agência do Cohab I não minimiza o fato de que nosso direito não está sendo respeitado. O poder público, correio ou qual seja a instituição prestadora de algum serviço não deixa de nos cobrar pela realização dos seus serviços prestados, mas nós temos que ter a compreensão de que o Correio não dispõe de mão de obra para realizar nossas entregas? É engraçado esta situação: eu não consigo postar uma carta se não pagar por esse serviço, o correio não é benevolente comigo, mas eu devo ser benevolente com ele… Além do que, os meus “enviadores” de correspondências pagam aos Correios por este serviço, então algo está errado porque os Correios cobram para me entregar, mas não entregam…”, conclui a moradora Andréia Innocenti que reside na Rua Mario João Zandomeneghi do Jardim do Bosque II.

PREFEITURA E CORREIOS EXPLICAM A SITUAÇÃO

O prefeito João Cury Neto visitou na manhã desta sexta-feira (1), o Centro de Educação Infantil “Professora Jurema Ramos Cordeiro”, no bairro Santa Maria, onde começou a funcionar uma caixa postal comunitária, que permitirá a distribuição de correspondências para os moradores do Jardim do Bosque I e II. Por conta de uma defasagem de efetivo dos Correios, os moradores desses bairros não são atendidos com a entrega domiciliar feita pelos carteiros. Eles eram obrigados a se deslocar até o Conjunto Habitacional Humberto Popolo (Cohab 1) para retirada do material em um posto avançado que funciona próximo ao supermercado Manzini.

Após receber diversas reclamações, o prefeito reuniu-se com a direção dos Correios cobrando uma alternativa que pudesse amenizar os transtornos gerados à população. A solução encontrada pela administração municipal foi a utilização de uma parte da sala da diretoria da creche do Santa Maria para montagem da estrutura de atendimento, que teve início nesta semana e será feito de segunda a sexta-feira, das 11 às 17 horas, por uma estagiária contratada pela Secretaria Municipal de Habitação.

“Quando recebemos um recurso ele vem adequado para determinada demanda, atendendo os bairros cobertos naquela região. Se ocorre a expansão da área de entrega, a partir do surgimento de um bairro novo, não temos como ampliar a carga de trabalho de nossos carteiros dentro das oito horas de serviço. Com a defasagem de efetivo por falta de concurso público a gente fica impedido de expandir a entrega em determinados bairros. Com os recursos atuais isso não é possível”, anuncia Robson Paulo Tavares Tavares, gerente de distribuição dos Correios.

O gerente de atendimento dos Correios, Marco Antonio Fernandes, destaca que todas as vezes que a empresa consegue firmar parcerias com a municipalidade para estender os serviços postais onde esse acesso ainda não está devidamente habilitado, a maior beneficiária é população. Segundo ele, a previsão é que de início sejam entregues em média, cerca de 100 correspondências por dia. “Nesse momento somente teremos apenas a distribuição de correspondências porque ainda não há liberação de entrega domiciliar. A caixa postal comunitária foi a forma encontrada para garantir o acesso ao serviço postal”.

CONTRATAÇÃO A CURTO PRAZO PODE RESOLVER O PROBLEMA

Apesar de reconhecer a defasagem de efetivo, Fernandes evita falar na contratação de mais profissionais a curto prazo. “O Tribunal de Contas coibiu a abertura de concurso para contratação de novos funcionários não só para os correios como para outros órgãos do Governo Federal. Temos recorrido a novas programações de distribuição em algumas regiões onde um estudo técnico viabilizado pela área de distribuição avalia o local e implanta um plano de alternância para que toda população tenha acesso à distribuição de correspondências”.

Para viabilizar a estrutura necessária à abertura do novo serviço na creche do Residencial Santa Maria foram mobilizadas as secretarias de Educação, Habitação e Descentralização e Participação Comunitária. No total, 632 famílias serão beneficiadas. Valdecir Fragoso, morador do Jardim do Bosque I, comemora o fato de agora contar com um ponto de retirada de correspondências próximo de casa. “Vai melhorar porque aqui é mais perto e está no nosso caminho. Ter que buscar na Cohab ficava fora de mão para todos os moradores. Essa ajuda da prefeitura veio em boa hora”, comentou.

Outra moradora do bairro, Renata Domingues, não esconde que sonha com o dia em que carteiro poderá levar as correspondências direto em sua casa. Enquanto isso não é possível, revela certo alívio com a solução encontrada pela prefeitura. “A gente chegava na Cohab e já tinha perdido o prazo de um monte de correspondência. Na verdade só recentemente fiquei sabendo que entregavam lá. Tínhamos que nos deslocar muitas vezes correndo no horário de almoço. Agora vai facilitar o dia a dia para todos nós”.

VONTADE DE RESOLVER O PROBLEMA

O secretário de Habitação, José Carlos Broto, reconhece que causava desconforto ao governo a situação vivida pelos moradores do Jardim do Bosque. “Era uma angústia que nós tínhamos. Há tempos queríamos resolver essa questão. Nesse momento os Correios não têm condição de atender os moradores e conseguimos viabilizar essa solução. A creche do Santa Maria fica no caminho, por onde essas famílias passam no dia a dia. Agora é só parar e pegar as correspondências, boletos e até a prestação da casa própria. A sensibilidade do nosso prefeito é que levou à solução desse problema. Aproveito para agradecer nossa secretária de educação e a diretora da creche que desde o primeiro momento foram muito prestativas, abriram as portas, fizeram as adequações e possibilitaram essa estrutura e esse novo serviço para as famílias”.

Para a secretária de Educação, Edileine Fernandes Henrique, a importância da medida exigia uma solução rápida. “Quando o Broto me procurou para fazer essa parceria, imediatamente eu liguei para a Ana Lúcia, nossa diretora que de pronto entendeu essa necessidade. Tomamos as providências, arrumamos o local, a parte de informática, indicamos a estagiária para contratação. Acho que foi a parceria perfeita. A prefeitura trabalha para atender o povo. Quando as secretarias trabalham juntas quem ganha é a população”.

AUMENTO DE CONJUNTOS HABITACIONAIS

Apesar de reconhecer que a abertura da caixa postal comunitária representa um grande avanço para os moradores do Jardim do Bosque, o prefeito João Cury disse que só ficará plenamente satisfeito quando o bairro foi incluído no serviço rotineiro de entrega domiciliar feita pelos carteiros.

“Aqui a direção e os funcionários foram extremamente generosos, dividindo espaço importante na creche para que tivéssemos uma sala com uma funcionária para oferecer o serviço. Vamos atender mais de 600 famílias que passam a ter acesso à entrega de correspondência bem mais perto de casa. Ainda não é o ideal. Vamos continuar lutando para que o carteiro chegue até as residências, entregando de porta em porta, como já acontece no Santa Maria e no Maria Luíza”.

De acordo com o prefeito, a administração municipal pisou muito fundo no acelerador para construção de novos conjuntos habitacionais, que somam cerca de 4 mil moradias e muitos serviços, como é o caso dos Correios, não chegaram com a mesma velocidade.

“Há bairros em Botucatu onde o serviço não chegou gerando um prejuízo enorme para a população. Pode até parecer que quem sofre com esse problema de falta de acesso aos correios enfrenta um pequeno problema. Mas não é. Através dos correios você se relaciona com banco, recebe contas, se corresponde com familiares. Essa é a prova que todo problema tem que ser tratado com o mesmo carinho e atenção independente de sua natureza. No caso do Jardim do Bosque ouvimos os moradores, recebi muita reclamação no facebook e fizemos uma articulação com os correios para tentar resolver essa questão. Mas eles disseram que nesse momento não tem condições de atender porque estão passando por muitas dificuldades”.

Cury lembra que a empresa hoje sofre com um rombo de R$ 6,5 bilhões, tendo um patrimônio avaliado em R$ 7 bilhões, fruto de má gestão vivida nos últimos anos em nível federal. “A expectativa é que eles saiam desse atoleiro daqui 17 anos. Isso é fruto de absoluto desgoverno. E quem sofre na ponta é a população. Isso sobra para os municípios. Somos obrigados a contratar gente para prestar um serviço que compete ao governo federal. Esse é o drama que vivem as prefeituras no Brasil. Mas nós não vamos abandonar um botucatuense sequer. Está aqui a capacidade que o governo teve de se articular e apresentar uma solução para o problemas, envolvendo várias secretarias”.

O chefe do Executivo destaca ainda que ao prestar esse novo serviço, a creche do Santa Maria reforça ainda mais o vínculo com a comunidade da região. “Trouxemos as casas e já construímos a creche que passa a ser um local de oferecimento de serviços públicos. Se não tivesse a creche aqui não teríamos o posto avançado dos correios. A escola deve ser sempre um lugar onde as famílias se encontram. Aqui vamos aproximar ainda mais a escola da comunidade. Há também por conta disso uma maior integração”.

OUTROS LUGARES COM O MESMO ENTRAVE

O prefeito cita que os moradores do Residencial Caimã e do Nova Esperança sofriam com o mesmo problema. E a caixa postal comunitária também foi a solução encontrada, funcionando no prédio da creche que atende os dois bairros.

“Os correios não conseguiram chegar no momento em que nós inauguramos esses conjuntos. E a população ficava sem acesso a correspondência. Usamos do mesmo método e da mesma sensibilidade para levar os serviços à comunidade. Eu critico o governo federal mas temos que enaltecer o trabalho dos correios. Os funcionários são vítimas. Estão sem estrutura alguma para oferecer um serviço de acordo com a expectativa da população. Mas aqui nos ajudaram tendo a sensibilidade de entender que poderiam colaborar com solução para uma demanda importante”.(Do Agência14News com Assessoria de Comunicação da Prefeitura).