A pandemia do novo coronavírus está se espalhando pelo interior do Estado de São Paulo. É o alerta do Centro de Contingência de coronavírus, com base em estudo da Unesp (Universidade Estadual Paulista) coordenado pelo professor Carlos Magno Fortaleza, membro desse grupo.

O levantamento foi apresentado durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes nesta terça-feira, 28 de abril.

Aponta ainda que a rota de disseminação do vírus concentra-se ao redor da capital, na Região Metropolitana, e se dissemina pelas principais rodovias que cortam o interior do Estado.

Além da densidade populacional, o estudo observou a distância como outro fator importante de dispersão da COVID-19. “O risco imediato, como é a condição de vigilância neste momento, é 25% menor a cada 100 quilômetros de distância da capital”. Portanto, há tanto o salto entre os grandes centros regionais quanto à difusão por vizinhança e contiguidade de municípios.

Fortaleza alertou que é preciso manter expressivo índice de isolamento social nesses polos, para evitar que o contágio atinja também os de menor porte, seguindo a classificação do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que prevê quatro tipos de municípios no interior – os polos regionais, os extremamente conectados com polos, os menos conectados e os rurais.

Dr. Carlos Magno Fortaleza, da Unesp de Botucatu, respondeu a imprensa na coletiva

“É grande a necessidade de que os grandes centros regionais mantenham maior rigor no isolamento, o que vai impactar nos demais (em relação à circulação do vírus)”, afirmou o professor da Unesp.

Coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, o infectologista David Uip ressaltou que existe uma falsa sensação de que o interior paulista está protegido contra a COVID-19, mas que se não houver cooperação por parte dos moradores, especialmente dos centros regionais, a doença poderá se alastrar ainda mais pelo Estado.

Dados da COVID-19

O Estado registra 2.049 óbitos nesta terça-feira (28). Desse total, 728 residiam em cidades do interior, litoral e Grande São Paulo, por onde a doença tem crescido – são 141 municípios com pelo menos um óbito, incluindo a capital.

Quase metade do total de municípios em SP já foi alcançada pela COVID-19. Das 645 cidades de SP, 305 tiveram pelo menos um caso da doença. Entre os 24.041 confirmados em todo o território, 8.644 dos infectados moravam fora da cidade de São Paulo.

O estudo da Unesp elenca quinze cidades que, juntas, concentram 70% do total de casos e mortes em SP.

Confira abaixo o mapa e, na sequencia, a tabela com os dados atualizados referentes a esses municípios.

Casos e óbitos nesses municípios:

MUNICÍPIOSCASOSÓBITOS
SAO PAULO153971321
SANTOS49541
CAMPINAS32012
SAO JOSE DOS CAMPOS19410
RIBEIRAO PRETO1107
SOROCABA10119
BAURU856
SAO JOSE DO RIO PRETO838
ARACATUBA602
ARARAQUARA563
BOTUCATU534
PRESIDENTE PRUDENTE182
VOTUPORANGA15 
ILHA COMPRIDA131
MARILIA91
Total (15 cidades acima)170081435
Total geral do Estado*240412049

BOTUCATU

Nota da Prefeitura na noite desta terça-feira confirmou 38 internados (entre positivos ou não). São moradores de Botucatu. Desses, 27 estão no HC e 11 na Unimed – com 5 na UTI do HC. Nos testes em massa na comunidade, mais 70 exames foram realizados e deram negativo, mantendo 12 positivos nesse tipo de testagem. Já são 212 testes realizados.

Até agora são 53 casos confirmados de pacientes da cidade (entre internados ou não), 4 óbitos e 18 altas.