O grande mestre da música raiz Adauto Ezequiel “Carreirinho” (Zé Carreiro e Carreirinho) se vivo estivesse, no dia 15 de Outubro teria completado 100 anos de idade. Nascido em Bofete (como diz a música “Rincão da Minha Terra”), no Bairro do Óleo onde viveu até os 15 anos, depois subiu para Pardinho de onde alçou voo para o sucesso na capital paulista, recebendo a alcunha na de época de “Os maiores violeiros do Brasil”.

As comemorações iniciaram já na sexta-feira com um encontro de personalidades da música raiz na Fazenda Espraiadinho, famoso cenário da moda viola mais emblemática do cancioneiro nacional “Ferreirinha”. Uma roda de viola com entrevistas preciosas para o documentário que está sendo produzido pela Casa dos Caipiras.

Estiveram presentes na oportunidade o seu então parceiro de composições Zé Procópio (Pardinho), o historiador nascido na Fazenda Espraiadinho José Simião de Oliveira, a dupla Ramiro Viola e Pardini (Botucatu) que gravou com participação especial do homenageado, Dorival Corule proprietário da Rádio Paixão FM de Pardinho, Mariano da Viola (Bofete), Nivaldo Otavani (Osasco) que mantém em sua residência um dos maiores acervos das duplas caipiras do passado, Vanice Carvalho “a Rainha do Rádio Caipira” (Santo André), Rosangela Lima e Carlos Henrique “Pardinho Filho” filhos do saudoso Pardinho (Tião Carreiro e Pardinho), Karoline Violeira e João Vitor e Gabriel (Botucatu), o compositor, cantador e violeiro Carlos Lima (Thiago Viola e Carlos Lima) e o anfitrião Wilson Sega proprietário da Fazenda que não conteve a emoção pela carga de história que se concentrou em sua casa no dia do Centenário da lenda Carreirinho.

No sábado (16) e domingo (17), as comemorações continuaram no recinto de eventos da Igreja do Bom Jesus do Ribeirão Grande (às margens da Castelo Branco (Pardinho), com gastronomia tropeira elaborada da forma mais tradicional. O jantar de sábado ficou por conta de Isael Cruz do Museu do Tropeiro de Boituva com apoio do Marcão Arruda do Laticínio Gege de Pardinho e o almoço do domingo a cargo do Joãozinho e Gentil da Comitiva Pousada de Boiadeiros de Botucatu.

Cantoria com Adriana Farias e Joãozinho Barroso (SP), Marcos Violeiro (Uberlandia) e Cleiton Torres (São José do Rio Preto), Billy e Benne (Botucatu), Edilson Santos, Horácio Mineiro, violeiro Kaique Pitilak (Pardinho), Grupo de Catira “Du Catira” (Itapevi), Cururueiros João Zarias, Lino Jacinto e Claudinho Keller (Pardinho) é Cássio Carlota (Porto Feliz).

Presença da Comitiva de muladeiros Tijuco Preto (Pardinho) e do Museu do Tropeiro de Boituva. Marcou presença também a Caravana dos Exploradores das Histórias de Botucatu e região liderada por Nenê Bueno.

Segundo Sérgio Vieira e Chico Almeida da Casa dos Caipiras, o evento atingiu seu objetivo que era produzir conteúdo áudio visual para um Documentário que será lançado em Dezembro/21 sobre a Cultura Caipira tendo a música raiz como fio condutor, além de conteúdo que será disponibilizado nas mídias sociais da Produtora de Eventos sediada em Pardinho, e que destaca dentre os suas outras atividades a Webrádio que lidera disparada a audiência do gênero musical raiz no Brasil.

Segundo a organização “o evento contou com o apoio das Prefeituras de Bofete (Prefeito Claudécio “Torão”) e de Pardinho (Prefeito José Luiz) através das diretorias de Cultura, Fernanda Vieira e Lucas Ramos respectivamente, Crispim e equipe de serviços da Prefeitura de Pardinho, Eletricitas Antonio Carlos e Benê, Anderson Pires (som), Wesley Tenore (seguranças), o imprescindível suporte do Instituto Jatobás e Centro Max Feffer. Agradecem ainda a Fazenda Rodoserv (Baianinho e Mola), W-Cordeiros (Wilson Sega e Marina), e de uma maneira muito especial o Diácono Beto que concedeu a Bênção aos tropeiros, ao Doutor José Simião e Arcebispo Dom Maurício Grotto de Camargo pela gentileza em ceder o espaço da Capela do Bom Jesus para acomodar as festividades do Centenário e o Rastro do Ferreirinha”.