A 21ª Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza terá início na próxima quarta-feira, 10 de abril, e vai até dia 31 de maio, das 8h às 17h, em todas as unidades básicas de saúde de São Manuel. O Dia D de mobilização nacional está programado para 4 de maio (sábado).

A orientação da Secretaria de Estado da Saúde é que os municípios façam um escalonamento da vacinação para os grupos de risco, ou seja, que seja feita por etapas.

Assim sendo, a primeira etapa, de 10 a 19 de abril, abrangerá crianças de 6 meses a menores de 6 anos (5 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto). Neste período, além da vacina influenza, também serão disponibilizadas as demais vacinas do calendário nacional para atualização da carteira de vacinação.

A partir de 22 de abril, serão vacinados todos os demais grupos prioritários: idosos (60 anos ou mais), trabalhador de saúde (dos setores públicos e privados), professores (da rede pública e privada).

Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais também serão vacinadas, a partir do dia 22. No entanto, mantém-se a necessidade de prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina, que deverá ser apresentada no ato da vacinação.

A meta, estipulada pelo Ministério da Saúde, é vacinar, pelo menos, 90% de cada um destes grupos prioritários. A vacinação tem como objetivo reduzir as complicações, as internações e a mortalidade atribuída ao vírus Influenza nos grupos mais vulneráveis, bem como, a atualizar a situação vacinal de crianças, gestantes e puérperas.

A DOENÇA
A Influenza é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito, especialmente nos indivíduos que apresentam fatores ou condições de risco para as complicações da infecção (crianças menores de 5 anos de idade, gestantes, adultos com 60 anos ou mais, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais).

A infecção por Influenza normalmente se manifesta como síndrome gripal, que se caracteriza pelo aparecimento súbito de febre, cefaleia, dores musculares (mialgia), tosse, dor de garganta e fadiga, é a manifestação mais comum. Nos casos mais graves, geralmente, existe dificuldade respiratória e há necessidade de hospitalização. Nessa situação, denomina Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), é obrigatória a notificação às autoridades de saúde.

(com assessoria)