Neste domingo (19), morreu em Botucatu (SP), o policial civil Francisco Carlos Rossi, de 62 anos. O investigador teve grande atuação na Dise – Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes da cidade no combate às drogas.

O policial estava internado no Hospital das Clínicas de Botucatu havia 4 meses lutando contra uma bactéria no sangue, segundo informaram os amigos. Ele atuou por 28 anos que se dedicou à Polícia Civil.


O delegado Paulo Buchignani da Dise que atuou 23 anos com Rossi falou sobre o profissional e amigo.

Bruno Garzezzi que é escrivão e atuou com Rossi marcando na mesma delegacia a fase dos mais experientes com os novos policiais escreveu na sua rede social um depoimento em homenagem ao amigo.

-Rossi com Bruno da DISE, que comentou: “Grande professor”.

“Hoje me despeço de um grande Professor. Sem dúvida o maior presente que ganhei desde que entrei na Polícia Civil em 2012, a ponto de dizer que ele é como um pai para mim. Um pai que me ensina muito, sobre TUDO e não é exagero de minha parte! Só não consegue me ensinar coisas que são inerentes à sua pessoa, como inteligência muito acima da média e capacidade de memória inacreditável, por exemplo. O Rossi é exemplo de caráter, de humildade, de hombridade, de honestidade e o simples fato de conviver com ele já nos obriga a ser como ele. Um cara que não esconde o que sente e me ensinou a ser assim também: se você ama, diga que ama. E quantas e quantas vezes eu não disse isso a ele… Não falei mais que ele, com certeza, pois falar mais que o Rossi é tarefa impossível. Quando ele chega a gente brinca: Quem falou, falou, agora só o Rossi fala… rs. Mas o cara é tão incrível que eu ficava ouvindo suas histórias e piadas e adorava tudo isso!Infelizmente a vida é passageira e até os melhores professores param de ensinar. Tenho certeza que esse grande professor parte com a missão cumprida por ter ensinado tanto a todos nós. Só tenho uma coisa a dizer ao meu pai/professor: Obrigado Rossi. Sempre te disse isso! Obrigado e te amo!!!!Muita força a todos os familiares! Obs.: Escrevi no presente, pois pessoas incríveis nunca ficam no passado…”, escreveu.

-Rossi com a família: filha fez depoimento em sua homenagem.

Aline Rossi, filha do policial, também comentou sobre a morte do pai. “Deus me deu o privilégio e felicidade de ter convivido 32 anos ao seu lado, Deus não poderia ter me dado um mestre melhor que você foi meu pai.
Meu amor, meu amigo, meu conselheiro, contador de história, pescador, me ensinou jogar sinuca, pescar, me ensinou a viver. Um exemplo de honestidade, alegria, e o maior exemplo de FORÇA. VOCÊ É FORTE, VOCÊ NUNCA DESISTIU. Deus quer pessoas boas ao lado dele, e por isso te chamou de volta para pátria espiritual. Obrigada por todos esses anos de amor e alegrias. Orgulho de ser seu sangue, sua filha, eu te amo. Estaremos unidos para todo sempre, infinitamente, eu amo você com todo meu amor.
Obrigada, só tenho que agradecer por tudo! Seu nome será pra sempre lembrado com amor e alegria, sua presença será sempre lembrada e seu neto terá o mesmo orgulho que eu tenho de você. Não é um Adeus, é um até logo. Te amo”, escreveu Aline.

O velório será nesta segunda-feira, das 10h às 14h no Complexo Funerário Orlando Panhozzi em Botucatu e o sepultamento no Cemitério Jardim.