Saiu nesta terça-feira (18) o laudo da Unesp feito para averiguar as causas da morte de um cachorro da raça buldogue inglês, em um pet shop de São Manuel, no dia 24 de setembro.

Segundo Luciana Cruz, protetora de animais em Botucatu, publicou em uma rede social: “Saiu o resultado do corpinho do Theodoro. Cão morto no pet shop, localizado em São Manuel. Após tudo que essa família passou, 3 dias de buscas, descobriram que ele morto estava. Seu corpinho, foi devolvido aos tutores, dentro de um saco de ração.
Não foi acidente. O Théo ia em pets, então não tinha problemas com temperaturas, que poderia causar o edema, então foi medicamento, medicamento esse, que só poderia ser autorizado pelo tutor, e veterinário, fato é que o Théo era dócil, e jamais fez uso de “calmantes”. Porque fazer uso? Ham Ham? A quem defendeu essa “corja” tá aí a resposta. Não levem seu animais nesse lugar, seus pets não falam, mas vc sim, criminosos”.

O laudo da Unesp, conforme imagens abaixo, mostra que Theodoro tinha 1 ano e 3 meses e o corpo foi encaminhado ao Serviço de Patologia Veterinária da Instituiçao, onde ficou comprovado que o cachorro estava morto a, no minimo, 24 horas, e tinha manchas vermelhas, lembrando sangue, em todo o corpo. A conclusão dos exames é de que o “animal morreu de edema pulmonar, tendo como mecanismo a lesão do endotélio vascular e permeabilidade alterada, portanto, extravassamento de hemácias, justificando a vermelhidão dos órgãos”.

O documento diz ainda que “o quadro é compatível com choque microvasogênico, o qual pode estar relacionado cm diferentes etiologias, por exemplo, hipertermia, que podem ser mediadas principalmente sob condição de temperatura ambiental elevada”,

Relembre o caso
No dia 22 de setembro, a dona do animal o levou para tomar banho em um pet shop na cidade de São Manuel, onde já estava acostumado a receber cuidadoes, e não foi devolvido. O dono do local, informou, a princípio, que Theodoro havia fugido pela janela do seu carro, durante o trajeto até a sua casa.

No dia seguinte, o dono do estabelecimento foi ouvido pela polícia e negou ter matado o animal, disse apenas que o mesmo tinha fugido.

A dona do Theodoro continuou insistindo em saber o que tinha acontecido com ele e somente no sábado (24), o dono do local ligou informando que tinham o encontrado. Mas ao chegar para buscá-lo, ele já estava morto. Foi então que decidiu levá-lo para a Unesp de Botucatu para realização da necropsia.