Orlando-FL, 11 de Outubro de 2016.

No momento o Matthew é um furacão bem mais fraco de categoria 1, com ventos de 120 km/h e está bem ao norte, na linha do estado da Carolina do Norte, e bem mais longe do continente. Um alívio! Muito bom vê-lo bem longe!

Por aqui a vida volta ao normal após a passagem do Matthew, pelo menos em Orlando onde moramos. Porém, a vida nunca mais voltará ao normal para algumas famílias do litoral dos estados da Florida, Georgia, Carolina do Sul e Carolina do Norte, que perderam seus entes queridos. O que dizer então do Haiti, onde o Matthew passou e deixou um rastro de destruição e mortes.

 Agora é hora de consertar os estragos e de contar os prejuízos nas cidades litorâneas. Milhares de pessoas estão retornando para suas cidades e suas casas, muitas destruídas. Alguns trechos de estradas e ruas simplesmente sumiram. Muitas árvores foram derrubadas com a força dos ventos. Milhares de família ficaram sem energia elétrica. Houve muitos alagamentos, inclusive em St Augustine, a cidade colonial considerada a cidade mais antiga dos Estados Unidos, onde a água invadiu as casas.

Orlando foi bem menos afetada, mas também houve ocorrências, na maioria delas com casas destelhadas e árvores derrubadas. Alguns bairros ficaram sem energia. O toque de recolher em Orlando terminou às 2 horas da tarde da sexta-feira, mas o movimento começou a voltar ao normal nas ruas somente no sábado. Os parques foram reabertos, o comércio voltou a funcionar normalmente e tivemos tempo bom com calor e sol durante o fim de semana. Na segunda-feira, as pessoas foram trabalhar e as escolas abriram normalmente.

Foi uma experiência diferente e aprendemos um pouco sobre como se preparar para enfrentar as fúrias da natureza. Temos que agradecer que o Matthew chegou fraco em Orlando.

Um grande abraço aos familiares e amigos de Botucatu e do Brasil.

*** Marcelo nasceu em Botucatu, morou em Araraquara e atualmente mora em Orlando.