Ana Laura Savini, de 11 anos, amazona de Botucatu prepara-se para finais do hipismo em Bauru (20/11) e São Roque (27/11), e ainda faz a sua estreia nas provas de tambor (12/11), em Pompeia, com expectativa de bons resultados.

A pequena campeã diz que sempre gostou de cavalo por causa da família e foi tomando gosto. Hoje, a atividade virou sua paixão.  Ela falou sobre provas, alturas de obstáculos nas atividades com seu cavalo Tufão Itapuã.  “Gosto de todo tipo de prova. A altura é a minha treinadora que escolhe. Ela que fala a altura que eu devo ir. Sempre entro para ganhar, mas se não der tem que ir para a próxima, porque talvez na outra você ganha. Essa correria de treinos, escola e viagem cansa um pouco, mas é o que eu gosto de fazer”, disse ela que também fala com orgulho de seu cavalo. “O Tufão Itapuã é muito carinhoso e obedece bastante”. Hoje, Ana Laura disputa as provas com professores de hipismo, pois não vale a idade e sim as dificuldades dos obstáculos.

Depois de selar o cavalo com ajuda de funcionários no centro de treinamento Monte Olimpo, Ana Laura escova a crina do seu companheiro de aventuras nas provas e depois parte para o treino que dura quase que uma tarde inteira. O processo é de aquecimento, aumento de movimentos e até começar a vencer obstáculos que vão sendo aumentados aos poucos para não causar prejuízo ao animal.

A sua história com o esporte começou pelo avô José Savini. “Sempre gostei e tinha de cavalo, então saía em pequenos grupos nos domingos de manhã e eu levava a Ana Laura junto – no cavalo, na minha frente – então ia passear e ela foi pegando gosto. Aí com 3 anos ela já ia sozinha no cavalo. Aí veio a ideia para saber se ela queria participar do hipismo. Depois conhecemos a Ingrid (Wirtz – treinadora), e deu no que deu, ela disputando várias competições em lugares como Bauru, Tatuí, sempre bem colocada. Onde ela vai está pegando pódio. Para mim como eu gosto de cavalo, imagine como eu fico, imagine como eu me sinto. É um orgulho”, conta o avô.

FAMÍLIA DE AMAZONA

Ana Paula, mãe da pequena atleta conta que inscreveu a filha em uma aula após receber um panfleto no semáforo a cidade. A partir dai, depois dos 3 anos de idade, a paixão por cavalos não parou mais. E, ao mesmo tempo, os resultados também começaram a aparecer. “Isso mudou a nossa rotina por conta de treinos e provas. A gente vive em função dela. Desde os cuidados com o cavalo são 4 vezes por semana de atividades. Agora ela está em 2 finais. Na competição de Bauru ela está em terceiro e quarto lugares, já em São Roque ela está em segundo lugar. E nos tambores ela estreia agora no dia 12 de novembro em Pompeia. Em altura ela treina um metro e vinte. Em prova ela disputa 80, 90 centímetros e 1 metro. É muito alto, não tenho coragem de ver”, disse sobre a sensação como mãe.

PROCURA PELO ESPORTE

Ingrid Wirtz que é treinadora de alunos de diferentes idades diz que a procura pelo hipismo aumentou principalmente após os resultados em provas deste ano. “A procura está sendo muito grande; desde crianças quanto adultos se interessam. É um esporte que não tem idade. Pode participar desde crianças até senhores e senhoras. É um esporte aberto a todos. O que mais atrai as pessoas são as competições e o esporte em si para ter contato com o cavalo. Também por conta das Olimpíadas no Brasil, que divulgou bem o esporte, tudo isso está fazendo as pessoas tenham interesse”, conta.

Hoje em dia ela salienta que o treino começa com aulas experimentais, com comandos básicos, postura, equilíbrio em cima do cavalo.É feito um trabalho prévio para o aluno estar bem preparado para futuramente chegar ao hipismo e nas provas. “O Monte Olimpo oferece todas essas aulas e até para quem não tem cavalo, nós temos os animais e os equipamentos. Para as primeiras provas nós temos os animais que emprestamos aos alunos. E, também, atendemos aquelas pessoas que só querem ter um contato com o cavalo e passear”, comenta Ingrid.

Ela fala ainda sobre o que o hipismo pode proporcionar. “Só de estar neste ambiente aqui já é uma coisa maravilhosa: o estresse do dia a dia vai embora. Isso só de estar aqui. Já o cavalo traz benefícios mentais, combate o estresse. Uma criança hiperativa, por exemplo, apresenta melhora. Além disso, melhora a musculatura, a coordenação motora, então é um esporte muito completo. Postura, coordenação, tudo isso o hipismo vai trazer de benefício para quem o pratica”.

Ana Laura, atleta de destaque nas competições tem patrocínio de Sumaré Leilões e Haras Colina Real.

IMAGENS

– Na foto, reportagem acompanhou um treino de Ana Laura e atletas no Monte Olimpo. Ela com a amiga Iudi Pereira.

– Família também acompanha os treinos da menina com o companheiro Tufão Itapuã.