O PAT (Posto de Atendimento ao Trabalhador) de São Manuel está com 112
vagas de emprego abertas. Os salários chegam a R$ 2 mil.

Deste total, são 1 vaga para inspetor de manufatura; 1 vaga para
auxiliar de produção; 1 vaga para torneiro mecânico; 1 vaga para
estagiário de controle de qualidade; 1 vaga para gerente de vendas; 1
vaga para técnico de segurança do trabalho; 50 vagas para atendente de
restaurante; 50 vagas para auxiliar de cozinha; 1 vaga para auxiliar de
limpeza; 2 vagas para operador de caixa; 1 vaga para eletricista; 1 vaga
para orientador social; e 1 vaga para auxiliar de eletricista.

Para concorrer a uma das oportunidades, é necessário o comparecimento no PAT, na Rua Epitácio Pessoa, 689, no centro, tendo em mãos documentos pessoais, currículo e CTPS.

Aumento de vagas formais
Estudo inédito divulgado pelo Itaú-Unibanco mostra que o Brasil vive
hoje um processo de aceleração na abertura de vagas com carteira
assinada e, ao mesmo tempo, de desaceleração na criação de empregos
informais.

A substituição de postos informais de trabalho com carteira explica,
segundo a instituição, a queda lenta do desemprego, que considera as
duas formas de contratação.

O banco estima que a taxa de desemprego deve passar de cerca de 12% no
final de 2019 para 11% em 2021. Nesse período de dois anos, espera-se a
criação de 1,9 milhão de vagas formais e metade disso (950 mil) em vagas
informais.

Os dados do mercado de trabalho do Ministério da Economia e do IBGE já
mostram essa mudança desde agosto do ano passado, quando a economia
voltou a crescer em ritmo mais forte, e a tendência é de que isso se
repita neste e no próximo ano, segundo o Itaú.

O histórico do mercado de trabalho mostra correlação negativa entre
empregos formais e informais. O trabalho sem registro cai quanto a
atividade econômica avança. Por outro lado, a criação de empregos
formais cresce.

Importância da capacitação
Embora a taxa de desemprego tenha diminuído, o número de desempregados ainda é significante. Nesse sentido, para que as oportunidades surjam com mais facilidade em um mercado tão competitivo é preciso destacar-se e buscar a qualificação profissional.

Infelizmente, o interesse pelo assunto ainda é baixo. Dados do IBGE
mostram que apenas 2,2% dos brasileiros, acima dos 15 anos, frequentam
algum tipo de curso de qualificação e 74% não demonstram interesse em se
profissionalizar.

A capacitação, entretanto, é uma forma não somente de ganhar espaço, mas de aprimorar as habilidades já existentes para que funções específicas sejam desempenhadas, além de se manter atualizado no seu segmento, no mercado e suas mudanças.

Em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo e com uma massa de pessoas buscando novas oportunidades, a capacitação profissional está
cada vez mais necessária e importante. Se atualizar e aprender se tornou
fundamental para os que estão trabalhando e para aqueles que estão à
procura de uma colocação no mercado.

(com assessoria)