Após júri realizado durante todo o dia, nesta quinta-feira (24), saiu a sentença para o réu pela morte da esposa, crime cometido em setembro de 2019, em Botucatu. A pena anunciada no começo da noite foi de 20 anos e 10 meses de reclusão em regime fechado.

Aline Aparecida da Silva, de 28 anos foi morta dentro de casa e o marido foi preso. A motivação alegada pelo acusado seria ciúme. A vítima foi morta por esganadura com uma braçadeira de plástico, popularmente conhecida como “enforca-gato”. Um filho do casal teria visto a cena.

-Aline que morreu aos 28 anos.

O 14News acompanhou a movimentação durante o dia. Um grupo de mulheres fez manifestação em frente ao fórum em apoio à família da vítima.

O tribunal do júri foi presidido pela juíza Cristina Escher. Atuou na acusação o promotor Marcos José de Freitas Corvino. Na defesa estavam os advogados Adilson Soares e Stella Coan Giacomassi.

O corpo de jurados foi formado por 3 mulheres e 4 homens. Entre as testemunhas eram 4 de acusação e 5 de defesa.

O 14News falou com a mãe da jovem assassinada que aguardava o julgamento em frente ao fórum de Botucatu. “A gente não quer vingança, quer justiça. Espero que a justiça seja feita”, disse Tereza Lourenço da Silva, ao site, durante o júri.




Movimento no fórum durante o julgamento:


Defesa diz que vai recorrer da decisão:

Os advogados se manifestaram ao site 14News dizendo que irão solicitar a reformulação da pena.


Família comenta a decisão:

A irmã Adriani Feliciano de Oliveira Souza falou sobre a pena aplicada ao réu após julgamento realizado em Botucatu.